PARABÉNS A DUDA/ANA PATRÍCIA E ADRIELSON/RENATO, DUPLAS DE PRAIA CAMPEÃS MUNDIAIS SUB-21
  • Mundial Sub-20 Brasil bate Bulgária e disputa o quinto lugar no México

    A seleção feminina brasileira Sub-20 reencontrou o caminho da vitória no mundial da categoria, que acontece no México. Na tarde deste sábado (22.07), na primeira rodada da disputa pelo quinto lugar, o Brasil levou a melhor sobre a Bulgária, de virada, por 3 sets a 1 (22/25, 25/10, 25/17 e 25/14), em partida realizada na Arena Córdoba.  Com 13 pontos, o bloqueio foi um grande diferencial na partida em favor das brasileiras. O destaque ficou com a atuação da oposta do Brasil, Karyna Malachias, que marcou 16 vezes para se tornar a maior pontuadora do confronto. Neste domingo (23.07), às 17h, no horário de Brasília, a equipe brasileira enfrentará a Polônia na briga pela quinta posição. A seleção feminina Sub-20 do Brasil tem um bom retrospecto em campeonatos mundiais nesta categoria. A equipe verde e amarela está desde 1999 sem sair do pódio. Na última edição, em 2015, em Porto Rico, o time brasileiro ficou com a prata, e já acumula 13 medalhas ao longo da história da competição (seis ouros, cinco pratas e dois bronzes). A última vez que as meninas do Brasil subiram ao lugar mais alto do pódio foi na Tailândia em 2007. Além da seleção sub-20, outras duas categorias de base se preparam para edições de Campeonato Mundial. A equipe sub-18, dirigida por Maurício Thomas, disputará de 18 a 27 de agosto, na Argentina, e a seleção sub-23, do técnico Wagão, tentará o título entre os dias 10 e 17 de setembro, na Eslovênia. MUNDIAL SUB-20 FEMININO Grupo A – México, Rússia, Egito e Bulgária Grupo B – República Dominicana, Peru, China e Polônia Grupo C – BRASIL, Sérvia, Cuba e EUA Grupo D – Japão, Itália, Turquia e Argentina TABELA GRUPO C 14.07 (SEXTA-FEIRA) BRASIL 3 x 1 USA – (25/10, 25/12, 24/26, 25/22) 15.07 (SÁBADO) BRASIL 3 x 1 Sérvia – (25/13, 25/21, 23/25, 25/22) 16.07 (DOMINGO) BRASIL 3 x 2 Cuba – (23/25, 22/25, 25/9, 25/20 e 15/13) TABELA GRUPO E 18.07 (TERÇA-FEIRA) BRASIL 0 x 3 Polônia – (14/25, 18/25 e 23/25) 19.07 (QUARTA-FEIRA) BRASIL 1 x 3 Turquia – (19/25, 25/23, 19/25 e 18/25) 20.07 (QUINTA-FEIRA) BRASIL 0 x 3 Rússia – (19/25, 18/25 e 11/25) DISPUTA DE 5º A 8º 22.07 (SÁBADO) BRASIL 3 x 1 Bulgária - (22/25, 25/10, 25/17 e 25/14) 23.07 (DOMINGO) BRASIL x Polônia - às 17h (horário de Brasília) O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro Read More
    Seleções
  • mais uma Larissa e Talita vão à final na Polônia, e Ágatha/Duda duela pelo bronze

    Da redação – 22.07.2017 O Brasil está pela nona vez em uma final de etapa do Circuito Mundial de vôlei de praia na temporada 2017. Larissa e Talita (PA/AL) venceram seus duelos neste sábado (22.07) e avançaram à decisão da etapa de Olsztyn, na Polônia. Ágatha e Duda (PR/SE), superadas pelas compatriotas na semifinal, disputarão a medalha de bronze do torneio. As brasileiras enfrentam na final as canadenses Sarah Pavan e Melissa Humana-Paredes neste domingo (23.07), às 8h35 (de Brasília). Será o segundo encontro entre os dois times, com Larissa e Talita tendo vencido na semifinal do Major Series de Gstaad, na Suíça. As duas equipes chegam invictas com cinco vitórias em cinco jogos. Na disputa pela medalha de bronze, Ágatha e Duda enfrentarão as norte-americanas Kerri Walsh, tricampeã olímpica e bronze nos Jogos Rio 2016, e sua nova parceira Nicole Branagh, às 7h35 (de Brasília). No único confronto entre os times, as brasileiras venceram nas oitavas de final do Major Series de Gstaad. É a terceira final da temporada de Larissa e Talita, que conquistaram o ouro nas paradas de Fort Lauderdale, nos EUA, e de Moscou, na Rússia. Elas também foram prata no torneio de Gstaad, na Suíça. As canadenses somam em 2017 um ouro, conquistado em Porec, na Croácia, e uma prata, no evento realizado no Rio de Janeiro. Para chegar à decisão, Larissa e Talita começaram o dia eliminando as alemãs Chantal Laboureur e Julia Sude nas quartas de final, com vitória por 2 sets a 0 (21/16, 21/18). Na semifinal, levaram a melhor sobre as compatriotas Ágatha e Duda com vitória difícil, mas em sets diretos: 21/19 e 24/22, em 39 minutos. Ágatha e Duda haviam superado as tchecas Kristyna Kolocova e Michala Kvapilova nas quartas de final, com vitória por 2 sets a 0 (21/16, 21/19), em 34 minutos de jogo. No naipe masculino, o Brasil se despediu da competição com a eliminação de Alison e Bruno Schmidt (ES/DF), que foram superados por 2 sets a 0 (21/17, 21/18) pelos russos Oleg Stoyanovskiy e Artem Yarzutkin nas oitavas de final. A etapa quatro estrelas da Polônia distribui 300 mil dólares em prêmios aos atletas, além de 800 pontos à dupla campeã. Este é o 13ª ano consecutivo que a Polônia recebe uma etapa, sendo um dos locais mais tradicionais do tour. O Brasil lidera o quadro de medalhas em etapas do Circuito Mundial realizadas na Polônia. Até hoje foram realizados 15 eventos no naipe masculino e outros 13 no feminino. Os brasileiros possuem 17 medalhas no masculino (oito ouros, quatro pratas e cinco bronzes) e 16 medalhas no feminino (nove ouros, duas prata e cinco bronzes). CONFIRA OS RESULTADOS DO TORNEIO FEMININO http://worldtour.2017.fivb.com/en/wpol2017/women/results/maindraw CONFIRA OS RESULTADOS DO TORNEIO MASCULINO http://worldtour.2017.fivb.com/en/mpol2017/men/results/maindraw O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro Read More
    Vôlei de Praia
  • resultado importante Brasil vence Holanda e se aproxima da Fase Final

    A seleção brasileira feminina de vôlei deu um importante passo na busca por uma vaga na Fase Final do Grand Prix. Nesta sexta-feira (21.07), o Brasil superou a Holanda por 3 sets a 1 (25/17, 25/14, 18/25 e 25/19), em 1h45 de jogo, no Aecim Tocantins, em Cuiabá (MT). Brasileiras e holandesas formam ao lado da Bélgica e dos Estados Unidos, o grupo I da competição. No outro jogo do grupo das donas da casa, as norte americanas levaram a melhor sobre as belgas por 3 sets a 1 (25/14, 16/25, 25/19 e 26/24). O duelo entre Brasil e Holanda contou com um bom público de 4.776 pessoas. O resultado colocou o Brasil em quarto lugar na classificação geral, com 15 pontos (cinco vitórias e três derrotas). Os Estados Unidos lideram, com 19 pontos, seguidos pela Sérvia, com 18, e a Holanda, com 15, mas com um saldo de sets melhor do que as brasileiras. O Brasil voltará à quadra no domingo, às 9h05 (Horário local)/10h05 (Horário de Brasília). A TV Globo e o SporTV 2 transmitirão ao vivo. A ponteira Rosamaria foi a maior pontuadora do confronto, com 18 acertos. A capitã Natália também teve boa atuação, com 17 pontos. O bloqueio do time verde  e amarelo também voltou a funcionar, com 20 pontos desse fundamento, sendo sete da central Adenízia. Pelo lado da Holanda, a oposta Plak foi quem mais pontuou, com 14 acertos. O treinador José Roberto Guimarães fez uma análise da boa vitória das brasileiras sobre a Holanda. “Hoje nos apresentamos bem. O bloqueio voltou a fazer a diferença e nos ajudou bastante. O time inteiro mostrou uma energia diferente durante a partida. A Natália foi alvo no passe e conseguiu entregar a maioria das bolas. O sistema defensivo também funcionou melhor e precisamos disso. Com essa vitória, demos um passo importante na busca pela classificação”, disse José Roberto Guimarães. Maior pontuadora do confronto, a ponteira Rosamaria elogiou o desempenho do Brasil contra a Holanda. “Foi um jogo difícil e estávamos precisando de uma partida como essa. Hoje jogamos muito bem taticamente e mantivemos a concentração durante toda a partida. Temos que continuar nessa crescente porque sabemos que todos os jogos nessa fase são decisões”, afirmou Rosamaria. Entenda o Grand Prix No Grand Prix, de sete a 23 de julho, as 12 principais seleções disputarão a fase de classificação. A cada semana serão formados três grupos com quatro seleções em cada, definidas em sorteio. Ao fim da fase classificatória, as cinco equipes mais bem classificadas avançarão à Fase Final, que contará ainda com a China, país sede. A Fase Final acontecerá de dois a seis de agosto, em Nanjing, na China. No primeiro fim de semana da competição, o Brasil venceu a Bélgica e a Turquia, respectivamente, por 3 sets a 0 e 3 sets a 2 e foi superado pela Sérvia por 3 sets a 0. Na segunda semana, as brasileiras estrearam com vitória sobre a Sérvia por 3 sets a 0 e foram superadas pela Tailândia pelo mesmo placar e pelo Japão por 3 sets a 2. Na terceira semana da competição, as brasileiras jogando diante da sua torcida venceram a Bélgica no primeiro duelo por 3 sets a 0. O Brasil é o atual campeão do Grand Prix e luta pelo 12º título da competição. O JOGO O Brasil começou melhor e fez 4/2. Bem no saque, a Holanda empatou (4/4). O time verde e amarelo foi para o primeiro tempo técnico com dois de vantagem (8/6). Bem no bloqueio, as brasileiras abriram três pontos (14/11) e o técnico da Holanda pediu tempo. O saque brasileiro dificultava a recepção holandesa e a diferença no placar subiu para cinco pontos (17/12). Quando o Brasil fez 19/14, o treinador da Holanda pediu tempo. O time da casa seguiu com destaque no bloqueio e venceu o primeiro set por 25/17. A Holanda voltou melhor para o segundo set e fez 5/3. Com Adenízia bem no bloqueio, o Brasil virou o marcador (6/5). As centrais Adenízia e Carol se destacavam no bloqueio e o time verde e amarelo foi para o primeiro tempo técnico com um de vantagem (8/7). Com volume, as donas da casa cresceram de produção e abriram quatro pontos (16/12). O bloqueio do time verde e amarelo seguia eficiente e a diferença no placar subiu para sete pontos (19/12). Quando as brasileiras fizeram 21/12, o treinador da Holanda voltou a parar o jogo. O Brasil seguiu melhor até o final e venceu o segundo set por 25/14. Bem no bloqueio e no saque, o Brasil começou melhor no terceiro set e fez 8/4. A Holanda cresceu de produção e encostou (9/8). A Holanda virou o marcador e abriu dois pontos (12/10). Neste momento, o treinador José Roberto Guimarães pediu tempo. Com um ace da levantadora Roberta, o Brasil encostou (13/12). A Holanda tinha dois de vantagem no segundo tempo técnico da terceira parcial (16/14). A Holanda foi melhor na parte final da terceira parcial e venceu o set por 25/18. O Brasil começou melhor no quarto set e fez 2/0. A parcial seguiu equilibrada e o Brasil foi para o primeiro tempo técnico em vantagem (8/7). Com um ponto de bloqueio, as brasileiras abriram dois pontos (9/7). A ponteira Rosamaria conseguiu um ace e as brasileiras abriram quatro pontos (12/8). O Brasil seguiu melhor e aumentou a vantagem no placar para seis pontos (16/10). As brasileiras dominaram a parcial até o final e venceram o set por 25/19 e o jogo por 3 sets a 1. BRASIL: Roberta, Tandara, Natália, Rosamaria, Adenízia e Bia. Líbero – Suelen  Entraram: Monique, Macris e Amanda  Técnico – José Roberto Guimarães HOLANDA: Dijkema, Plak, Buijs, Maret, De Kruijf e Belien. Líbero – Knip  Entraram: Femke e Jasper  Técnico: Jamie Morrison ÁRBITROS: 1º - Denny Cespedes (República Dominicana)  2º -  Vladimir Simonovic (Sérvia) GALERIA DE FOTOS: http://2017.cbv.com.br/midia/galeria-de-imagens/item/28625-cuiaba-mt---21.07.2017---grand-prix---brasil-x-holanda-.html Grand Prix 1ª semana – Ancara (Turquia) 07.07 – Brasil 3 x 0 Bélgica (25/22, 25/23 e 25/18)  08.07 – Brasil 0 x 3 Sérvia (19/25, 20/25 e 19/25)  09.07 – Brasil 3 x 2 Turquia (24/26, 25/17, 25/18, 22/25 e 15/13) 2ª semana – Sendai (Japão) 14.07 – Brasil 3 x 0 Sérvia (26/24, 25/17 e 25/22)  15.07 – Brasil 0 x 3 Tailândia (22/25, 21/25 e 27/29) 16.07 – Brasil 2 x 3 Japão (22/25, 24/26, 25/19, 25/20 e 15/17)    3ª semana – Cuiabá (Brasil)  Ginásio Aecim Tocantins  20.07 – Brasil 3 x 0 Bélgica (28/26, 25/19 e 25/20)  21.07 – Brasil 3 x 1 Holanda (25/17, 25/14, 18/25 e 25/19) 23.07 - Brasil x Estados Unidos, 9h10 (horário local)/10h10 (horário de Brasília) - TV Globo e SporTV 2  O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro Read More
    Grand Prix
  • na disputa Brasil avança com duplas às quartas e oitavas de final na etapa da Polônia

    Da redação -21.07.2017 O Brasil segue na briga por medalhas na etapa da Polônia do Circuito Mundial de vôlei de praia 2017. Nesta sexta-feira (21.07), no naipe feminino, Ágatha/Duda (PR/SE) e Larissa/Talita (PA/AL) superaram suas adversárias e chegaram às quartas de final. Entre os homens, Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) também venceram e estão na fase de oitavas de final do torneio disputado na cidade de Olsztyn. Ágatha e Duda vão enfrentar nas quartas de final as tchecas Kolocova e Kvapilova, às 5h30 (de Brasília). Os dois times haviam se enfrentado na fase de grupos, com vitória das tchecas. Já Larissa e Talita encaram as alemãs Julia Sude e Chantal Laboureur no mesmo horário. Em seis encontros entre as duplas, as brasileiras somam cinco vitórias. Além das disputas das quartas de final, neste sábado (22.07) ocorrem também os jogos das semifinais. Caso as duas duplas brasileiras vençam, se encontrarão na semi, garantindo ao menos um time verde e amarelo na decisão da etapa de Olsztyn. No naipe masculino, que está uma rodada atrás, Alison e Bruno Schmidt encaram nas oitavas de final os russos Oleg Stoyanovskiy e Artem Yarzutkin, às 4h30 (de Brasília). Os brasileiros campeões olímpicos venceram o único encontro entre os times, valendo o bronze do Major Series de Porec. As quartas de final e semifinais do naipe masculino também serão realizadas neste sábado. Nesta sexta, Larissa e Talita, que ficaram em primeiro na chave, jogaram apenas uma partida. Elas superaram as alemãs Karla Borger e Margareta Kozuch por 2 sets a 1 (21/7, 16/21, 15/12), 41 minutos. Já Ágatha e Duda disputaram uma rodada a mais, da repescagem, quando venceram as finlandesas Lahti e Lehtonen por 2 sets a 1 (21/14, 18/21, 15/11), em 50 minutos. Horas depois, nas oitavas, triunfo por 2 sets a 0 (21/19, 21/19) sobre as polonesas Jagoda Gruszczynska e Kinga Kolosinska. Alison e Bruno Schmidt disputaram apenas uma partida nesta sexta-feira, pela fase de grupos. Eles superaram os poloneses Fijalek e Bryl por 2 sets a 1 (14/21, 21/14, 15/11), em 50 minutos, e garantiram primeiro lugar da chave H. Com isso, avançaram em primeiro e não tiveram que passar pela repescagem, também realizada hoje. Outras cinco duplas brasileiras deram adeus ao torneio nesta sexta-feira. Fernanda Berti e Bárbara Seixas (RJ) caíram nas oitavas de final, enquanto Pedro Solberg/Guto (RJ) ficaram na repescagem. Já Álvaro/Saymon (PB/MS), Evandro/André (RJ/ES) e Vitor Felipe/George (PB) foram eliminados na fase de grupos do torneio. A etapa quatro estrelas da Polônia distribui 300 mil dólares em prêmios aos atletas, além de 800 pontos à dupla campeã. Este é o 13ª ano consecutivo que a Polônia recebe uma etapa, sendo um dos locais mais tradicionais do tour. O Brasil lidera o quadro de medalhas em etapas do Circuito Mundial realizadas na Polônia. Até hoje foram realizados 15 eventos no naipe masculino e outros 13 no feminino. Os brasileiros possuem 17 medalhas no masculino (oito ouros, quatro pratas e cinco bronzes) e 16 medalhas no feminino (nove ouros, duas prata e cinco bronzes). CONFIRA OS RESULTADOS DO TORNEIO FEMININO http://worldtour.2017.fivb.com/en/wpol2017/women/results/maindraw CONFIRA OS RESULTADOS DO TORNEIO MASCULINO http://worldtour.2017.fivb.com/en/mpol2017/men/results/maindraw O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro Read More
    Vôlei de Praia
  • Novidade Jovem promessa, Victor Birigui é um dos destaques das categorias de base do Brasil

    Uma jovem promessa do vôlei masculino vem surgindo nas categorias de base do Brasil. Victor Cardoso nasceu em Birigui, no interior de São Paulo e, por isso, é chamado por muitos pelo nome da cidade. O ponteiro chega com características importantes para um jogador da sua posição, o que chamou atenção dos treinadores. Nesta temporada, com 18 anos, foi chamado por Nery Tambeiro para a seleção sub-21, que foi campeã da Copa Pan-Americana e terminou em quarto lugar no Campeonato Mundial. Agora, está com Leonardo Carvalho na seleção sub-19, que se prepara para o Mundial de 18 a 27 de agosto, no Bahrein. “O Victor tem como características principais o alcance de ataque e um bloqueio agressivo, além de um saque viagem forte para jogadores desta categoria. Mesmo sendo um atleta privilegiado fisicamente, ele também tem um bom desempenho em relação a recepção o que é fundamental para um ponteiro”, analisou o treinador da equipe sub-19 do Brasil. Victor chegou para a seleção mais nova com a experiência de ter atuado como titular da categoria acima nas duas competições. Na primeira, no Canadá, em maio, além de ajudar o Brasil a ser campeão, foi eleito o melhor jogador do campeonato. Depois, no Mundial, na República Tcheca, no final de junho e começo de julho, teve boa participação na campanha que culminou com o quarto lugar. “O Victor chegou a seleção sub-19 no ano passado e teve uma grande evolução técnica. Em função disso, acabou sendo convocado para a seleção sub-21, onde foi titular da equipe mesmo tendo dois anos a menos. Nesse período junto a seleção sub-21, ele ganhou muita experiência e maturidade, se tornando hoje um atleta mais consistente”, elogiou Leo Carvalho. Após as duas experiências, o ponteiro, que é atleta do Sesi-SP, conta que foi surpreendido ao ser chamado para seleção sub-21 e que buscou adquirir conhecimento para, agora, ajudar ainda mais a sua verdadeira categoria. “Disputei o Campeonato Brasileiro e logo em seguida veio a convocação. Não esperava ser chamado para a seleção sub-21. Foi tudo muito rápido e fiquei emocionado. Procurei ao máximo ganhar experiência e percebi que evoluí bastante com o decorrer dos treinamentos. Mesmo sendo mais novo, acho que consegui chegar ao nível dos mais velhos. Fiz a minha parte na Copa Pan-Americano e depois, no Mundial, fizemos uma boa competição”, disse Victor. Estar concentrado durante longos períodos desde o final de março no Centro de Desenvolvimento de Voleibol (CDV), em Saquarema (RJ), não é problema algum para o jogador. Segundo ele, nos momentos em que não está em quadra, treinando, o seu passatempo preferido é assistir os treinos das demais seleções que estão presentes no centro de treinamento. “Quando estamos de folga, procuro assistir as seleções que estiverem treinando, tanto do feminino, quanto do adulto, seja qual for, na busca por me aperfeiçoar cada vez mais. Eu amo jogar vôlei, todos da minha família são ligados ao esporte e isso aqui é a minha vida”, afirmou Birigui, filho e irmão de jogadores de voleibol. “O meu pai jogou. Ele chegou a pegar a seleção do Mato Grosso do Sul e sempre foi o meu maior incentivador. O meu irmão mais velho, Gilmárcio, hoje com 24 anos, jogou por um período e o do meio, Leonardo, que está com 20, disputou o Mundial Sub-19 em 2015, na Argentina, e também veio para a seleção no ano passado, quando acabou cortado. Somos todos apaixonados por vôlei”, contou Victor. Sonhos de um jovem atleta O início da trajetória foi na cidade natal, onde logo obteve destaque. “Comecei a jogar em Birigui e passei a me destacar na região. Em 2014, fiz um bom Campeonato Paulista e fui convocado pela primeira vez para a seleção brasileira sub-17. Na época, foi a realização de um sonho. Sabemos que qualquer atleta, de qualquer modalidade, tem como meta defender o seu país. Foi uma felicidade enorme”, lembrou o atleta. De lá para cá, continuou sendo chamado para representar o país em diferentes competições. “Estar aqui no CDV é sensacional. Estar ao lado dos nossos maiores ídolos é algo que não dá para descrever. Só de passar pelo Wallace, pelo Lucarelli, e todos os outros, é uma sensação muito legal. E eles nos ajudam bastante. Às vezes estamos treinando e eles ficam assistindo. É muito bacana”. Sobre o futuro, Victor Birigui é determinado: “Sem dúvida, meu sonho é um dia defender a seleção principal e poder disputar uma edição de Jogos Olímpicos. Sei que, para isso, vou precisar de dedicação, empenho e foco e estou empenhado para isso”, concluiu o ponteiro. O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro Read More
    Seleções
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Grand Prix 2017

Vôlei na TV

Liga Mundial

Vôlei Praia

Grand Prix

Seleções