Ao fim do terceiro e último jogo da fase classificatória do Mundial Sub-21 masculino, o desempenho do time brasileiro não poderia ser melhor. Foram três vitórias e sem perder um set sequer, garantindo a liderança do grupo D. Na manhã deste domingo (25.06), o triunfo foi sobre o Japão (25/23, 25/20 e 25/21), em partida realizada na Budvar Arena, em Ceske Budejovice, na Repúplica Tcheca.

Já garantido na segunda etapa da competição, o treinador Nery Tambeiro aproveitou o duelo contra os japoneses e deu ritmo de jogo aos atletas que participaram menos nas partidas anteriores. Mesmo assim, o ritmo da equipe não diminuiu. O oposto Davy foi o principal destaque e anotou 17 pontos.

“Nós preparamos cada jogador nosso para este jogo, os japoneses são muito guerreiros. Foi um jogo parelho. Após o final do primeiro set vimos que era preciso dar ainda mais de nós mesmos em quadra. Tínhamos certeza de que esta partida seria uma batalha, e ao longo dos sets encontramos nosso caminho e impusemos o nosso ritmo”, contou Nery.

O Brasil entrou em quadra com o levantador Matheus Brasília, o oposto Roque, os centrais Gabriel Bertolini e Daniel Mascarenhas, os ponteiros Birigui e Alexandre Elias, e o líbero Maique. Entraram Luís Rodrigues, Davy, Pablo Natan e Barreto. Agora o time brasileiro só entra em quadra na próxima terça-feira (27.06), mas aguarda ainda o encerramento da rodada para conhecer os adversários da segunda fase.

O Mundial Sub-21 masculino tem a participação de 16 equipes divididas em quatro grupos (A, B, C e D) com quatro seleções, que jogarão entre si. Os dois melhores de cada grupo passam para a fase seguinte, que reunirá os oito times restantes e dois grupos de quatro (E e F), com nova sequência de jogos entre os componentes de cada grupo. As semifinais serão entre os dois melhores de cada chave. O evento acontece entre 23 de junho e dois de julho nas cidades de Brno e Ceske Budejovice, na República Tcheca.

Criado em 1977, o Mundial Sub-21 masculino de voleibol chega à décima nona edição. A Rússia é a recordista de títulos com dez ouros (incluídas as conquistas da era da União Soviética). O Brasil tem 13 medalhas e é o segundo maior vencedor (quatro ouros, seis pratas e três bronzes).

 

MUNDIAL SUB-21 MASCULINO 2017

Grupo A – República Tcheca, Polônia, Marrocos e Canadá

Grupo B – Rússia, Cuba, Turquia e Estados Unidos

Grupo C – Argentina, Itália, Ucrânia e Irã

Grupo D – BRASIL, Egito, China e Japão

TABELA

23.06 (SEXTA-FEIRA) BRASIL 3x0 Egito (25/20, 25/18 e 25/18)

24.06 (SÁBADO) BRASIL 3x0 China (25/16, 25/21 e 25/16)

25.06 (DOMINGO) BRASIL 3x0 Japão (25/23, 25/20 e 25/21)

HISTÓRICO DO BRASIL NOS MUNDIAIS SUB-21 MASCULINOS

13 MEDALHAS (4 ouros/6 pratas/3 bronzes)

1977 (Brasil) – Bronze

1981 (EUA) – Prata

1989 (Grécia) – Bronze

1993 (Argentina) – Ouro

1995 (Malásia) – Prata

1997 (Malásia) – Prata

1999 (Tailândia) – Bronze

2001 (Polônia) – Ouro

2003 (Irã) – Prata

2005 (Índia) – Prata

2007 (Marrocos) – Ouro

2009 (Índia) – Ouro

2013 (Turquia) – Prata

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro

Colégios da capital paranaense receberam neste sábado (24.06) o movimento Volleyball Your Way - Vôlei do Seu Jeito com a presença dos seus embaixadores, os ex-atletas medalhistas olímpicos Giba, Emanuel e Elisângela. O projeto é desenvolvido pela Federação Internacional de Voleibol (FIVB) e suas atividades em Curitiba têm o apoio da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e da Federação Paranaense de Voleibol (FPV).

As ações que envolvem o movimento Vôlei do Seu Jeito acontecerão ao longo da semana com visitas às escolas, hospitais e entidades sociais e terão continuidade durante a realização da Fase Final da Liga Mundial e após o evento que acontece em Curitiba entre os dias 4 a 8 de julho.

Cerca de mil alunos participaram das atividades realizadas ao longo deste sábado nos colégios Marista Paranaense, Positivo e Bom Jesus, onde tiveram a oportunidade de jogar com os embaixadores, após um bate-papo que abordou diversos temas. Mas a interação não parou por aí. Pela manhã, o aluno da 1ª Série do Ensino Médio do Colégio Marista, Gabriel Júlio, 15 anos, encarou o desafio de ser o repórter mirim por um dia e tirou de letra, entrevistando os ídolos e acompanhando o evento. Durante a tarde foram visitados os colégios Bom Jesus e Positivo.

O Vôlei do Seu Jeito é um movimento que celebra o voleibol em todas as suas formas, independentemente de como ele é jogado e visa reunir pessoas de qualquer idade, estimulando a prática de diferentes maneiras. De acordo com o chefe do Departamento de Desenvolvimento da FIVB, Diogo Jurema, a ideia da FIVB é trabalhar seus eventos de forma diferente, causando impacto antes, durante e após cada torneio.

"Em Curitiba abraçamos essa ideia do Vôlei do Seu Jeito para a reciclagem, ou seja, vamos nos divertir da forma que der e com materiais que tivermos à disposição.  Então, é isso que queremos promover nessas visitas às escolas, trabalhando a simplificação dos elementos do voleibol junto com as crianças. A mesma mensagem será levada aos hospitais, pois além de promover alegria nesse ambiente, a ideia é mostrar como eles podem se manter ativos substituindo uma bola de vôlei por uma bexiga, por exemplo. Não há necessidade de ser uma rede, pode ser utilizado um barbante e ainda substituindo uma quadra por um simples círculo. É isso que buscamos aqui em Curitiba. Usar o evento das finais da Liga Mundial para promover esse movimento", afirmou Diogo.

A ex-atleta Elisângela, campeã Sul-Americana, Pan-Americana, medalhista olímpica e no Grand Prix, é uma das embaixadoras do movimento e, como paranaense, fez questão de participar do projeto.

"Essa é uma das várias iniciativas bem interessantes que a FIVB está desenvolvendo nessa gestão, ampliando o conceito do voleibol. Eu me sinto privilegiada em participar desse projeto em Curitiba, por isso aceitei o convite do Giba prontamente. O povo curitibano, por quem tenho um enorme carinho, talvez não tenha a dimensão desse evento agora, mas tenho certeza de que será um grande marco para a cidade e será lembrado por muito anos.

Os ingressos para a Fase Final da Liga Mundial podem ser adquiridos pelo site do Clube Atlético Paranaense (https://www.ingressoscap.com.br/), e em pontos de venda em Curitiba: na loja da Disk Ingressos no Shopping Palladium e nos quiosques Disk Ingressos do Shopping Mueller, do Shopping Estação e do Shopping Crystal. 

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro

Na segunda rodada do campeonato Mundial Sub-21 masculino, na República Tcheca, a seleção brasileira repetiu o bom desempenho e manteve a invencibilidade na competição. Na tarde deste sábado (24.06), o Brasil venceu a China por 3 sets a 0 (25/16, 25/21 e 25/16), em 1h11 de jogo na Budvar Arena, em Cescke Budejovice. O bom resultado manteve a equipe verde e amarela na liderança do grupo D, e garantiu a classificação à próxima fase.

O jogo contra a China, cabeça de chave e atual bronze mundial na categoria, era, na teoria, o mais complicado neste início de campeonato. No entanto o saque brasileiro fez a diferença no duelo contra os chineses, foram oito pontos do Brasil neste fundamento, contra apenas dois dos adversários. O ponteiro Victor Barigui foi a figura principal da partida, anotando 21 pontos. O oposto Roque, com 15, também se destacou.

“Nesse jogo de hoje fizemos uma estratégia de usar mais o saque flutuado para dificultar a ação do ataque chinês, e essa era a nossa prioridade hoje”, explicou o treinador da equipe do Brasil, Nery Tambeiro. O técnico contou que cada partida é encarada como a mais importante do campeonato. A estratégia é não deixar os jovens atletas perderem o foco na competição.

“Para nós, o jogo mais difícil é sempre o próximo. Amanhã o jogo contra o Japão também será complicado. Nossa linha de pensamento é essa, cada jogo seguinte é o mais difícil. Com isso a gente não perde o foco, estamos sempre ligados no que fazer. Sem dúvida foi uma vitória muito importante que nos deixa em primeiro do grupo. Contra os japoneses temos que continuar a concentração, com os pés no chão, pois sabemos que é a fase de classificação ainda. E depois, na fase seguinte, vamos continuar o nosso crescimento”, disse Nery.

O Brasil entrou em quadra com o levantador Matheus Brasília, o oposto Roque, os centrais Gabriel Bertolini e Daniel Mascarenhas, os ponteiros Birigui e Alexandre Elias, e o líbero Maique. Entraram Luís Rodrigues, Davy e Barreto. O próximo compromisso será contra o Japão, às 10h (hora de Brasília), deste domingo (25.06).

O Mundial Sub-21 masculino tem a participação de 16 equipes divididas em quatro grupos (A, B, C e D) com quatro seleções, que jogarão entre si. Os dois melhores de cada grupo passam para a fase seguinte, que reunirá os oito times restantes e dois grupos de quatro (E e F), com nova sequência de jogos entre os componentes de cada grupo. As semifinais serão entre os dois melhores de cada chave. O evento acontece entre 23 de junho e dois de julho nas cidades de Brno e Ceske Budejovice, na República Tcheca.

Criado em 1977, o Mundial Sub-21 masculino de voleibol chega à décima nona edição. A Rússia é a recordista de títulos com dez ouros (incluídas as conquistas da era da União Soviética). O Brasil tem 13 medalhas e é o segundo maior vencedor (quatro ouros, seis pratas e três bronzes).

 

MUNDIAL SUB-21 MASCULINO 2017

Grupo A – República Tcheca, Polônia, Marrocos e Canadá

Grupo B – Rússia, Cuba, Turquia e Estados Unidos

Grupo C – Argentina, Itália, Ucrânia e Irã

Grupo D – BRASIL, Egito, China e Japão

TABELA

23.06 (SEXTA-FEIRA) BRASIL 3x0 Egito (25/20, 25/18 e 25/18)

24.06 (SÁBADO) BRASIL 3x0 China (25/16, 25/21 e 25/16)

25.06 (DOMINGO) BRASIL x Japão – às 10h (horário de Brasília)

HISTÓRICO DO BRASIL NOS MUNDIAIS SUB-21 MASCULINOS

13 MEDALHAS (4 ouros/6 pratas/3 bronzes)

1977 (Brasil) – Bronze

1981 (EUA) – Prata

1989 (Grécia) – Bronze

1993 (Argentina) – Ouro

1995 (Malásia) – Prata

1997 (Malásia) – Prata

1999 (Tailândia) – Bronze

2001 (Polônia) – Ouro

2003 (Irã) – Prata

2005 (Índia) – Prata

2007 (Marrocos) – Ouro

2009 (Índia) – Ouro

2013 (Turquia) – Prata

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro

Uma semana depois do triunfo no torneio em Mônaco, Juliana e Carol Horta (CE) voltaram a entrar em ação em uma etapa do Circuito Mundial. Na madrugada deste sábado (24.06) elas fizeram duas partidas na etapa de Nantong (CHN), evento de duas estrelas da temporada 2017. A dupla, única representante do Brasil na competição, acabou ficando nas quartas de final.

Na primeira partida do dia Juliana e Carol Horta (CE) bateram as representantes da Lituânia Andriukaityte/Zobnina por 2 sets a 0 (21/15 e 21/11). No confronto seguinte, nas quartas, elas foram superadas pela parceria russa Abalakina/Dhabiza no tiebreak (16/21, 21/17 e 12/15).

A competição na cidade chinesa é apenas para o naipe feminino e contou com 24 duplas. A premiação total é de 50 mil dólares, e 400 pontos para a dupla campeã.

BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2017

Etapa Fort Lauderdale (EUA) - 5 estrelas
Álvaro Filho/Saymon - ouro
Larissa/Talita - ouro
Evandro/André Stein - prata
Ágatha/Duda - prata

Etapa Xiamen (China) - 3 estrelas
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro

Etapa Rio de Janeiro (Brasil) - 4 estrelas
Alison/Bruno Schmidt - ouro
Ágatha/Duda - ouro

Etapa Moscou (Rússia) - 3 estrelas
Larissa/Talita - ouro
Ágatha/Duda – bronze

Etapa Haia (Holanda) – 3 estrelas

Maria Elisa/Carol Solberg – ouro

Ágatha/Duda – bronze

Etapa Mônaco (Mônaco) – 1 estrela

Julian/Carol Horta - ouro

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro

 

Uma trombose no ante-braço direito tirou o oposto da seleção brasileira, Evandro, da Fase Final da Liga Mundial. A informação foi confirmada nesta sexta-feira (23.06) depois de um exame realizado no Rio de Janeiro (RJ). Sem poder contar com o atacante nos jogos decisivos, o técnico Renan Dal Zotto chamou Renan Buiatti de volta para estar ao lado de Wallace, o outro jogador da posição de oposto na fase que acontecerá de 4 a 8 de julho, no Estádio Atlético Paranaense, em Curitiba (PR).

O fisioterapeuta da seleção, Matheus Cardoso, acompanhou Evandro no exame e explicou melhor sobre o ocorrido. “O Evandro fez um trombo no ante-braço direito que obstruiu parte da artéria ulnar. Não é uma lesão grave, ele foi orientado a manter as atividades físicas, só que sem nenhum impacto na região onde está com a obstrução, tendo, assim, que ficar sem contato nenhum com bola”, disse Matheus.

Renan Dal Zotto, que já havia perdido o ponteiro Lipe ontem (22.06) por um estiramento na panturrilha, lamentou mais uma ausência nas importantes partidas que acontecerão na capital paranaense.

“É uma fatalidade que lamentamos muito. O Evandro faz uma falta incrível a qualquer equipe e, já na primeira etapa desta Liga Mundial, demonstrou ser um dos melhores opostos do mundo. Mas, vamos contar com o Renan Buiatti para essa Fase Final. Ele teve conosco nas três primeiras etapas, na Itália, na Bulgária e na Argentina, teve a oportunidade de jogar, e está totalmente ambientado e adaptado a seleção brasileira”, afirmou o técnico da seleção brasileira.

Evandro também falou sobre o corte. “Estou realmente triste de não estar com a seleção em jogos tão importantes como estes da Fase Final da Liga Mundial, em um ano pós-olímpico. Também fico muito chateado por não poder ajudar o Renan Dal Zotto nesse primeiro campeonato dele. Gosto muito do Renan como treinador e como pessoa e gostaria de estar ali para fazer o meu melhor. Não é nada grave, mas infelizmente nesse próximo mês não posso ter contato nenhum com bola”, concluiu Evandro.

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro

A seleção brasileira Sub-21 masculina fez boa estreia no Mundial da categoria, que acontece na República Tcheca. Nesta sexta-feira (23.06) os rapazes do Brasil venceram o Egito por 3 sets a 0 (25/20, 25/18 e 25/18), em 1h16, na Budvar Arena, em Ceské Budejovice. O resultado da partida deixo os brasileiros na primeira colocação do grupo D. No outro confronto da rodada a China bateu o Japão por 3x1.

Na partida contra a equipe egípcia os destaques brasileiros foram o oposto Roque, que ao marcar 15 vezes foi o maior pontuador do confronto, e o ponteiro Victor Birigui, que anotou 11.  Os erros adversários também foram um fator importante para a vitória brasileira, foram 25 do time do Egito contra 19 do Brasil.

O treinador da equipe brasileira, Nery Tambeiro, analisou o primeiro jogo no campeonato: “A estreia é sempre difícil. Mas não importa qual time está do outro lado da rede, é preciso dar o máximo. Tínhamos a expectativa de começar bem na competição e foi o que aconteceu”, contou Nery.

O Brasil entrou em quadra com o levantador Matheus Brasília, o oposto Roque, os centrais Gabriel Bertolini e Daniel Mascarenhas, os ponteiros Birigui e Honorato, e o líbero Maique. Entraram Luís Rodrigues, Davy, Barreto, Pablo Natan e Alexandre Elias. O próximo compromisso será contra a China, às 15h (hora de Brasília), deste sábado (24.06).

O Mundial Sub-21 masculino tem a participação de 16 equipes divididas em quatro grupos (A, B, C e D) com quatro seleções, que jogarão entre si. Os dois melhores de cada grupo passam para a fase seguinte, que reunirá os oito times restantes e dois grupos de quatro (E e F), com nova sequência de jogos entre os componentes de cada grupo. As semifinais serão entre os dois melhores de cada chave. O evento acontece entre 23 de junho e dois de julho nas cidades de Brno e Ceske Budejovice, na República Tcheca.

Criado em 1977, o Mundial Sub-21 masculino de voleibol chega à décima nona edição. A Rússia é a recordista de títulos com dez ouros (incluídas as conquistas da era da União Soviética). O Brasil tem 13 medalhas e é o segundo maior vencedor (quatro ouros, seis pratas e três bronzes).

 

MUNDIAL SUB-21 MASCULINO 2017

Grupo A – República Tcheca, Polônia, Marrocos e Canadá

Grupo B – Rússia, Cuba, Turquia e Estados Unidos

Grupo C – Argentina, Itália, Ucrânia e Irã

Grupo D – BRASIL, Egito, China e Japão

TABELA

23.06 (SEXTA-FEIRA) BRASIL x Egito – às 15h (horário de Brasília)

24.06 (SÁBADO) BRASIL x China – às 15h (horário de Brasília)

25.06 (DOMINGO) BRASIL x Japão – às 10h (horário de Brasília)

HISTÓRICO DO BRASIL NOS MUNDIAIS SUB-21 MASCULINOS

13 MEDALHAS (4 ouros/6 pratas/3 bronzes)

1977 (Brasil) – Bronze

1981 (EUA) – Prata

1989 (Grécia) – Bronze

1993 (Argentina) – Ouro

1995 (Malásia) – Prata

1997 (Malásia) – Prata

1999 (Tailândia) – Bronze

2001 (Polônia) – Ouro

2003 (Irã) – Prata

2005 (Índia) – Prata

2007 (Marrocos) – Ouro

2009 (Índia) – Ouro

2013 (Turquia) – Prata

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro

Diagnosticado com um estiramento na panturrilha esquerda, o ponteiro Lipe está fora da Fase Final da Liga Mundial. O jogador da seleção brasileira masculina de vôlei sentiu ainda na etapa da Argentina, no jogo contra os donos da casa, e, nesta quinta-feira (22.07), recebeu a informação de que não estaria apto a tempo das finais, que serão de 4 a 8 de julho, no Estádio Atlético Paranaense, em Curitiba (PR).

Segundo o fisioterapeuta da seleção brasileira, Matheus Cardoso, o tipo de lesão sofrida pelo jogador precisaria de um tempo maior para o tratamento. “O Lipe fez um estiramento na panturrilha, uma lesão de grau 2, e a recuperação não seria concluída a tempo da Fase Final da Liga Mundial”, explicou o fisioterapeuta.

O técnico Renan Dal Zotto lamentou. “O Lipe é um cara importantíssimo, não só dentro de quadra, mas pela liderança que exerce sobre a equipe. É um dos pilares da seleção brasileira por ter um espírito que contagia o grupo. É um jogador que não gera só uma perda técnica, pois isso nem é preciso falar. Perdemos uma liderança muito positiva”, disse Dal Zotto.

Apesar da lesão, o ponteiro estará em Curitiba, sua cidade-natal, no período da Fase Final. Ele e o treinador fizeram questão. “Ele vai ser nosso décimo quinto jogador, estando, de alguma forma, sempre próximo ao grupo”, confirmou Renan Dal Zotto.

Lipe também ficou bastante sentido com o fato. “É doído porque, de uma dor que eu imaginava ser algo muito pequeno e que não iria me privar dessa Liga Mundial, acabou aparecendo uma coisa muito maior que me deixou de fora de mais um sonho. Era uma Liga que, por tudo que passamos nesses últimos anos, achei que estávamos mais preparado, que vai ser em casa, e eu estava muito motivado”, disse o ponteiro da seleção brasileira, que complementou.

“É uma lesão, mas a sensação que eu tenho é de deixar o grupo no meio do caminho. É sofrido, mas eu vou estar lá e vou continuar puxando a orelha de todo mundo, como eu faço, porque sei que tenho a confianças dele e, acima de tudo, porque tenho certeza que a nossa seleção tem tudo para ganhar em casa”, concluiu Lipe.

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro

A seleção brasileira Sub-21 masculina do Brasil já está na República Tcheca para a disputa do Mundial da categoria que começa nesta sexta-feira (23.06). A equipe brasileira está no grupo D, com sede em Ceske Budejovice, junto com o Japão, adversário da estreia (às 15h no horário de Brasília), o Egito, campeão africano, e a seleção chinesa, campeã asiática e medalha de bronze na última edição, no México, em 2015.

O técnico do time verde e amarelo é Nery Tambeiro, que está no comando do selecionado desde o início desta temporada. Antes da chegada na sede do campeonato, o treinador esteve junto com a seleção em Lake Placid (EUA), para uma sequência de quatro jogos amistosos contra os donos da casa. Os brasileiros venceram dois jogos e perderam dois, na reta final de preparação para o Mundial.

“Foi muito bom termos feito o período de treinamento nos EUA, e jogar com a equipe local. A experiência nos proporcionou um bom teste, e pudemos avaliar alguns detalhes que ainda faltavam, e alguns experimentos. Vamos bem fisicamente e com uma boa preparação para a disputa do campeonato”, contou Nery.

A equipe brasileira contará com os levantadores Matheus Brasília e Luís Rodrigues, os centrais Gabriel Bertolini, Lucas Barreto e Daniel Mascarenhas, os ponteiros Henrique Honorato, Victor Cardoso, Alexandre Elias e Pablo Natan, os opostos Davy Silva e Felipe Roque, e o líbero Maique Nascimento.

O Mundial Sub-21 masculino terá a participação de 16 equipes divididas em quatro grupos (A, B, C e D) com quatro seleções, que jogarão entre si. Os dois melhores de cada grupo passam para a fase seguinte, que reunirá os oito times restantes e dois grupos de quatro (E e F), com nova sequência de jogos entre os componentes de cada grupo. As semifinais serão entre os dois melhores de cada chave. O evento acontece entre 23 de junho e dois de julho nas cidades de Brno e Ceske Budejovice, na República Tcheca.

Criado em 1977, o Mundial Sub-21 masculino de voleibol chega à décima nona edição. A Rússia é a recordista de títulos com dez ouros (incluídas as conquistas da era da União Soviética). O Brasil tem 13 medalhas e é o segundo maior vencedor (quatro ouros, seis pratas e três bronzes).

 

MUNDIAL SUB-21 MASCULINO 2017

Grupo A – República Tcheca, Polônia, Marrocos e Canadá

Grupo B – Rússia, Cuba, Turquia e Estados Unidos

Grupo C – Argentina, Itália, Ucrânia e Irã

Grupo D – BRASIL, Egito, China e Japão

TABELA

23.06 (SEXTA-FEIRA) BRASIL x Egito – às 15h (horário de Brasília)

24.06 (SÁBADO) BRASIL x China – às 15h (horário de Brasília)

25.06 (DOMINGO) BRASIL x Japão – às 10h (horário de Brasília)

HISTÓRICO DO BRASIL NOS MUNDIAIS SUB-21 MASCULINOS

13 MEDALHAS (4 ouros/6 pratas/3 bronzes)

1977 (Brasil) – Bronze

1981 (EUA) – Prata

1989 (Grécia) – Bronze

1993 (Argentina) – Ouro

1995 (Malásia) – Prata

1997 (Malásia) – Prata

1999 (Tailândia) – Bronze

2001 (Polônia) – Ouro

2003 (Irã) – Prata

2005 (Índia) – Prata

2007 (Marrocos) – Ouro

2009 (Índia) – Ouro

2013 (Turquia) – Prata

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro

 

Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) – 22.06.2017

O começo foi promissor, e embaladas por uma medalha de ouro na semana passada, Juliana e Carolina Horta representarão o Brasil na etapa de Nantong (China) do Circuito Mundial 2017. A disputa acontece de sexta-feira (23.06) a domingo (25.06), em sistema de eliminatória direta. Elas serão a única dupla do país em torneio que terá disputa apenas no feminino.

Juliana e Carolina Horta não disputam a primeira rodada, e entram direto na fase de oitavas de final. A competição tem formato eliminatório direto, sem fase de grupos. As semifinais e a final acontecem no domingo (25.06). A parceria foi formada no início do mês, e disputará na China apenas o terceiro torneio, mas já em busca de mais um pódio.

A estreia da parceria aconteceu em Bauru (SP), quando ficaram com o bronze no Challenger. Na última semana, no torneio da categoria uma estrela, em Mônaco, conquistaram o primeiro ouro, que agora esperam repetir na cidade de Nantong.

Esta é a primeira competição realizada na cidade da costa leste chinesa. A dupla campeã em Nantong recebe uma premiação de 6 mil dólares e soma 400 pontos no ranking do Circuito Mundial 2017. O Brasil lidera o ranking feminino, com Ágatha e Duda (2.480 pontos), e aparece em terceiro entre os homens, com Álvaro/Saymon (1.880 pontos).

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro

A imprensa interessada em fazer a cobertura da etapa do Grand Prix no Brasil pode se credenciar até o dia 14 de julho, no site da Federação Internacional de Voleibol (FIVB). As partidas no Brasil acontecerão no Aecim Tocantins, em Cuiabá (MT), entre os dias 20 e 23 de julho.

20/07 - 14h05 (horário local) - Brasil x Bélgica 
20/07 – 16h10 (horário local) – Estados Unidos x Holanda 
21/07 – 14h05 (horário local) – Brasil x Holanda 
21/07 – 16h10 (horário local) – Estados Unidos x Bélgica 
23/07 – 9h10 (horário local) – Brasil x Estados Unidos 
23/07 – 11h15 (horário local) – Bélgica x Holanda 

As solicitações deverão ser feitas individualmente no site da FIVB: 

www.fivb.org/EN/Media/accreditation.asp

Os interessados deverão se cadastrar no sistema da entidade. Caso já estejam registrados, basta fazer o login na mesma página, clicando no botão localizado na coluna à direita.

Para novos cadastros, a inserção da foto no formulário é obrigatória, assim como o preenchimento dos seguintes campos:

- Last name
- First name
- Nationality
- Gender
- Email address
- Birthdate
- Function
- Media organization
- Phone number
- Mobile number

No quinto passo, cada jornalista deverá selecionar o evento World Grand Prix 2017 - 1st Group e, então, escolher a etapa do Brasil.

Após a aprovação do registro, cada jornalista receberá um login e uma senha, com os quais poderá efetuar outros pedidos de credenciamento no futuro.

Os jornalistas que tiverem seus pedidos aceitos serão informados pela assessoria de comunicação da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) sobre local e data de retirada das credenciais no dia 15 de julho.

Em caso de dúvidas com o credenciamento para o Grand Prix, entrar em contato com a assessoria de comunicação da FIVB através do e-mail [email protected]

Demais dúvidas devem ser encaminhadas para a assessoria de comunicação da CBV, pelo e-mail [email protected] 

O Banco do Brasil é o patrocinador do vôlei brasileiro

Pagina 1 de 245
Parceiros Oficiais